Pesquisar este blog

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Dica da Artesã #3 - Economizando no Ateliê

Vamos falar de um assunto que todo mundo gosta? Economia!

A maioria dos artesãos que conheço são chefes de família, ou seja, gerenciam uma família, uma casa e suas finanças e sabe que economizar é algo imprescindível, quem dirá em tempos de crise, não é!

Hoje quero trazer dicas simples, que podem ser postas em prática neste mesmo momento, pois vamos economizar reduzindo o desperdício.
Seja em seu cantinho criativo, loja ou ateliê, sempre há algum tipo de desperdício que acaba gerando gastos desnecessários para você. Então, ou você começa a observar e contornar essas situações ou acaba pagando por algo que não está usando.

Vamos às dicas:

  1. Procure manter uma rotina de trabalho diurna, se possível, pois assim você utiliza a luz natural e não precisa acender lâmpadas;
  2. Não jogue fora os retalhos, pois todos tem alguma serventia. Utilize-os para confeccionar peças pequenas ou fazer detalhes, o que pode ser um diferencial em seus produtos;
  3. Ao limpar o seu ateliê, fique atento ao que está indo para o lixo, pois o "lixo criativo" é muito rico e pode conter muitas miudezas que podem ter caído no chão e serem jogados fora por engano;
  4. Reutilize caixas de cereal, amido de milho e outras para desenhar seus moldes. Eles podem não ficar por definitivo, como os de acetado, mas duram mais do que os de papel sulfite;
  5. Reaproveite as latas de leite, rolinhos de papel higiênico, potinhos de geleia, caixas de sapato e outros materiais que iriam para o lixo. Eles dão ótimos organizadores e reutilizar está na moda!
Deixo aqui as 5 primeiras dicas simples que podem ser usadas de maneira fácil por você. Elas já estão em prática aqui no Ateliê Superart.
Meu porta refil de cola quente, feito com lata de leite.

 E você, como economiza aí no seu cantinho criativo?

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Artes com tecido

Hoje quero deixar aqui, fotos de alguns trabalhos meus com tecido. Todos são feitos à mão, porque não sei costurar à máquina "ainda". 
Espero que sirvam de inspiração, que tragam boas ideias para vocês ou que, pelo menos, embelezem o seu dia.
Qualquer dúvida ou sugestão, deixe-os nos comentários. Ok!


Lembrancinha mini fralda e anjinho porta recado ou foto


Adicionar legenda

Lembrancinha mini fralda quadriculada rosa



 Chapéu agulheiro/ alfineteiro



Almofada menina princesa 30 x 30 cm



Tulipas no palito



Galinha porta recado, enfeite de cozinha

Vasinho médio com tulipas
Estes são alguns dos meus trabalhos com tecido. Amo costurar e faço isso desde criança, a costura à mão. Agradeço a minha mãe por ter me ensinado e confiado suas agulhas em minhas mãos!

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Saiba diferenciar gastos fixos de gastos variáveis

Algo muito importante para o crescimento do nosso negócio criativo é saber exatamente o quanto gastamos para mantê-lo, assim, saberemos se estamos "bem das pernas".
Quando você já tem um espaço independente, ou seja, fora de casa, torna-se mais fácil fazer estes cálculos, pois todas as contas que chegam, precisam ser pagas e são única e exclusivamente do seu ateliê. Porém, caso o seu ateliê ou o seu cantinho criativo seja em casa mesmo, há como saber o quanto gasta para adicionar ao valor dos produtos.

Você sabe diferenciar seus gastos fixos dos gastos variáveis?


  • Gastos fixos são aqueles que, independente de você ter encomendas ou não, você precisará pagar. Mesmo que você trabalhe em casa, pense que, se você não utilizasse máquinas ou equipamentos elétricos, não gastaria de energia elétrica o quanto gasta atualmente confeccionando suas artes.
Exemplos de gastos fixos:
  1.  Energia elétrica;
  2. Telefone;
  3. Internet;
  4. Gás (caso os seus produtos sejam doces, salgados, bolos ou cerâmicas, pinturas em louças, etc);
  5. Aluguel;
  6. Impostos (MEI, INSS, entre outros)
  7. Funcionários (caso tenha algum)
  • Gastos variáveis são aqueles gerados a partir do momento em que você tem encomendas, ou seja, a cada mês eles podem ser maiores, menores ou até inexistentes, de acordo com a demanda de encomendas.
Exemplos de gastos variáveis:

  1. Terceirização de mão de obra (se você paga alguém para ajudá-lo só quando há muita demanda, este custo vai variar de acordo com a demanda de encomendas do mês);
  2. Gasto com matéria-prima 
  3. Frete sobre materiais, passagem para buscar matéria-prima ou para levar encomendas aos Correios, etc
Agora você já sabe a diferença entre custos fixos e variáveis!

 Já sabe que, alguns valores são certos (fixos) e outros você precisa ter muita atenção e ir gerenciando de acordo com as encomendas que vai tendo durante o mês. 

***Quando temos um negócio, não basta ter apenas a habilidade de fazer bem nossos produtos, mas também é necessário ter essa mesma habilidade para gerenciá-lo! Cuide bem de seu negócio criativo!!!

Ficou com dúvida? Deixe a sua pergunta aqui nos comentários. 

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Sem encomendas e sem dinheiro... Como continuar?

Eu não me encontro nesta situação, porém eu imagino que, alguma amiga artesã ou amigo, possa estar passando por esta difícil situação, por isso tirei um pouquinho do meu tempo para tentar ajudar a colocar uma luz no fim do túnel.



Em primeiro lugar, reflita se este é o caminho que você deseja seguir (leia o post "Você está no caminho certo? ). Talvez você tenha abandonado um trabalho ou esteja fazendo artesanato porque ficou desempregado, ou mesmo para complementar a sua renda, mas você já se perguntou se o artesanato é uma paixão em sua vida?
Faço esta pergunta e desejo que se faça também, pois se fazemos algo que amamos, os resultados virão com certeza, porque serão frutos de dedicação, perseverança e busca, mesmo que não sejam imediatos.

Também lembre-se dos 3 Fs, que são muito importantes para qualquer situação de nossas vidas, quem dirá nesta: FOCO, FORÇA e FÉ. São 3 palavras pequenas, mas que possuem o poder de transformar a nossa vida! (Já dá um novo post!!!)

Agora, na prática, o porquê de eu ter pensado em quem está nesta situação: todas as vezes que vejo a quantidade de retalhos que tenho aqui no ateliê e que não dou conta, eu penso que poderia estar transformando tudo isso e gerando renda. Então, se já é um artesão, é provável que tenha "sobras" que possam ser utilizadas para realizar algum trabalho.

Vou citar alguns exemplos:

  • Retalhos de Eva, podem se tornar lindas bonequinhas planas, letras, flores pequenas, enfim. Para nós que somos criativos, tudo o que tocamos "vira ouro" ou deveria virar, rsrs.
  • Retalhos de tecido, podem servir de matéria-prima para a confecção de tapetes (os famosos tapetes de tirinhas), flores de fuxico, entre outros.
  • Se trabalha com feltro, também pode confeccionar flores, chaveirinhos, ponteirinhas para lápis e caneta...
São várias as técnicas e, em cada encomenda que fazemos, vão sobrando retalhos que podem se transformar em entulho ou fazer a diferença na hora da crise. 
Caso não tenha absolutamente nada, pode recorrer às costureiras que costumam até jogar fora retalhos, reutilizar materiais como papelão, pet, sacolas de pão (tipo kraft), caixinhas de ovos, caixotes de feira, enfim. 

Nada é empecilho para uma cabecinha criativa que quer vencer fazendo o que ama. 

Ânimo amigos, Deus é conosco!!!


***Não esqueçam de compartilhar e comentar o que gostaram. Também adoaria saber o que vocês querem que eu escreva. Espero por vocês!!!



quarta-feira, 15 de julho de 2015

Você está no caminho certo?



Amo as frases da Cora e sempre as posto em minha página de trabalho no face, pois são inspiração para a minha vida e meu trabalho. Página do meu Ateliê!




O título é bem sugestivo e muitas vezes nos indagamos se estamos no caminho certo. Isso ocorre em várias áreas de nossa vida, mas olhando para o nosso trabalho artesanal, como podemos responder positivamente à esta pergunta?

Um indício de que estamos indo bem é, sem dúvida alguma, o retorno financeiro. Porém, muitas de nós abandonamos carreiras estáveis e bem-sucedidas ou promissoras para nos realizarmos no mundo mágico do artesanato, por opção e não por necessidade.
Então, deixando claro que o retorno financeiro é uma prova incontestável de que se está trilhando o caminho certo, também existem outros fatores: como a taxa de perguntas sobre os seus produtos, os pedidos de orçamento e (claro!) o volume de encomendas. Porém, nada é mais certo de que você encontrou o seu caminho, do que o reconhecimento profissional.
Falo do que a própria Cora nos diz em sua frase, pois quando tocamos o coração das pessoas com o que fazemos, realmente o nosso trabalho faz sentido e a nossa vida também!

Se o seu trabalho te realiza pessoal e profissionalmente e ainda toca o coração das pessoas, não tenha dúvida. Você está no caminho certo!!!

Gostou? Compartilhe! Comente! Inspire-se!!!
O seu comentário, faz a diferença para mim!!!

terça-feira, 14 de julho de 2015

Plaquinha de porta Ursinha Baby

Deixei, por um  momento, as dicas de precificação para postar um trabalho que concluí hoje.
É uma plaquinha de porta de maternidade ou porta de quarto de menina.

Vi que quase não posto nada a respeito do meu trabalho, por isso passarei a postar mais. Ok! Assim, quem me acompanha só por aqui (por enquanto!), poderá ter acesso ao que posto em minhas outras fontes de divulgação virtual.




Esta Ursinha Baby é um dos meus xodós atuais! Já estou criando uma linha de produtos com ela! Amando!!!















Inspirem-se!
Comentem!
Dêem sugestões!
Desde já agradeço!!!

sábado, 4 de julho de 2015

1ª Etapa da Precificação

Como vimos no post anterior, várias são as etapas que constituem o processo de precificar um produto e o primeiro que vamos esmiuçar aqui será o da matéria-prima.

Matéria-prima


Segundo uma fonte de pesquisa virtual, "matéria-prima é um produto natural ou semimanufaturado (bem intermediário) que deve ser submetido a um processo produtivo até tornar-se um produto acabado." (https://pt.wikipedia.org/wiki/Mat%C3%A9ria-prima)

A partir desta definição, vamos esclarecer uma coisa importante: a matéria-prima é o material central do seu trabalho, é o principal, a base. Os demais materiais, são chamados de insumos, embora insumo também possa ser atribuído na indústria a todo o restante utilizado para se confeccionar um produto, incluindo equipamentos, ferramentas, mão de obra, etc.
Vamos deixar a mão de obra a parte, pois foi um assunto que já dediquei dois posts sobre o cálculo da sua hora de trabalho e vamos focar na matéria-prima e demais insumos utilizados na produção.

Vou exemplificar o que falei com um exemplar do meu trabalho:

Caderno de assinaturas Casamento

Neste lindo caderno, o EVA é o material principal em sua confecção, então ele é a matéria-prima, os demais materiais utilizados são os insumos.
Que materiais eu gastei para fazer este caderno, além da matéria-prima?

  • Fita de cetim nº5;
  • fita de cetim nº1;
  • botão decorativo de coração;
  • meia pérola;
  • passa-fita;
  • strass;
  • cordão de flores peroladas;
  • tinta relevo(dentro do caderno)
  • cola glíter;
  • perfurador de papel/ eva;
  • máquina de cortar eva;
  • refil de cola quente;
  • pistola de cola quente;
  • pincel;
  • cola instantânea;
  • argolas dourados (alianças);
  • tesoura;
  • palito de churrasco;
  • copo descartável;
  • energia elétrica
  • água;
  • internet.
Pode parecer estranho estes 3 últimos itens aparecerem na lista de insumos, porém, sem eles, eu não poderia ter concluído o meu produto, tendo em vista que:
  1. Sem a energia elétrica, não conseguiria aquecer o refil de cola, ligar a máquina de corte, ligar o computador, onde fiz algumas pesquisas referentes o produto e, se fosse trabalhar durante a noite, também não poderia fazê-lo sem acender a luz;
  2. A água foi necessária para a diluição da cola glíter e a lavagem do pincel utilizado;
  3. A internet foi utilizada para eu aperfeiçoar a confecção das rosinhas de fita (não estou contando o contato com cliente, somente a produção do produto!)
Dica: Além de anotar os materiais que gastou, também é importante, saber as medidas, quantidades, o tempo que usou a energia elétrica para fazer aquela peça, mas também não adianta você anotar tudo direitinho, se não souber quanto custa cada coisa. Guarde suas notas fiscais, notinhas, saiba quanto custa a luz, a água, a internet, enfim, se habitue a anotar e a calcular...

No próximo post, vamos aprender a calcular o valor gasto em uma peça com matéria-prima e insumos.

Continuem acompanhando, postem suas dúvidas para que eu possa ir tirando-as ao longo dos posts ou fazer um post só com as dúvidas de vocês. Ok!

Um abraço pessoal,

Aline Carpazano.